Páginas

segunda-feira, 22 de agosto de 2011


Ah, daria tudo pra ter novamente meus 15 anos. Pra poder voltar e fazer tudo diferente, ou fazer o que eu não fiz, ou fazer tudo de novo. Cresci, amadureci, criei responsabilidades, arrumei namorado, mudei de rotina... Agora, eu tenho que acordar cedo, tem que pagar conta, fazer conta, trabalhar, ser responsável pelo meu trabalho, pintar o cabelo, mas não para esconder os fios brancos, pois ainda não os tenho, mais sim para esconder uma velha personalidade, pra parecer com uma personagem que eu criei por fora, que eu alimentei que eu tive que sustentar. Preciso me fazer de forte quando a minha vontade é me esparramar pelo chão como areia, tive que parar de me iludir, parar de criar expectativas, tive que crescer por fora. E é onde hoje eu penso, onde é que eu estava com a cabeça quando decidi crescer? Eu não tinha problemas de adulto, eu tinha problemas de uma pequena adolescente, onde ouvir musica depressiva e chorar o dia todo resolvia antes eu era lunática, eu era fã, eu era apaixonada, minhas piadas tinham graça, e os meus amores eternos até eu enjoar. Antes eu era rebelde, boba, infantil, mas pra falar a verdade, continuo exatamente assim! Lunática, criança, menina, rebelde, boba, egoísta, chata, metida, engraçada, chorona, fraca, esperta, atenta, uma grande menina escondida dentro de uma pequena mulher... Pra falar mais uma verdade, não senti nada mudar, só o tempo passar, até por que no nosso coração, na nossa alma, nada muda. Sempre que algo marca, marca também o coração e a alma, seja dolorido ou alegre, seja feliz, assustador, engraçado, emocionante, seja o que for, são pequenos pedaços de papel marcados lá dentro, pedaçinhos que apenas fingimos esquecer, mas só nós mesmas pra saber o quanto aquilo fica batendo pra sair pra fora. E quer saber? Esse é o meu maior defeito, liberar o que eu sinto na hora que eu sinto, ou seja: Na hora errada. Na hora imprópria. O que acaba transparecendo minha fragilidade. UAL! Mas logo eu! Marrenta, rebelde, inconstante! Sim, EU! Até por que além de menina, mulher, fraca, forte, eu sou humana. E vai me dizer que você humano não se fere com nada. Se disser que não, além de todos os seus defeitos você possui mais um: Mentira, e falsidade. Humano também é aceitar que você é. E aceitar seus defeitos, por maiores que sejam. Aliás, defeitos também fazem parte da raça humana, se não seriam alienígenas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário